Dissertações defendidas

Retornar

Dados da dissertação

Número
572  
Aluno
Belinazir Costa do Espirito Santo
Orientador
Cláudio Leite de Souza
Linha de Pesquisa
 
Título da defesa
Avaliação de Câmara de Dessorção de Metano e Sulfeto de Hidrogênio Dissolvidos Em Efluentes de Reatores Uasb Tratando Esgoto Doméstico
Número de páginas
 
Data da defesa
30/06/2017
Local
Belo Horizonte/MG - Av. Antônio Carlos, 6627 - Pampulha - Escola de Engenharia da UFMG - Bloco 1 - 4º Andar - Sala 4517
Horário
13:30
Banca Examinadora
Prof. Dr. Claudio Leite de Souza (UFMG)
Prof. Dr. Marcos von Sperling (DESA/UFMG)
Gustavo Rafael Collere Possetti (FGV e Companhia de Saneamento do Paraná)
Jackson de Oliveira Pereira (Universidade Federal de São João Del-Rei)
Palavras-chave
Câmara de Dessorção, Controle de metano dissolvido, Controle de sulfeto de hidrogênio dissol, Esgoto doméstico, Reator UASB
Resumo A presença dos gases metano e sulfeto de hidrogênio dissolvidos no seio do líquido efluente de reatores UASB é uma problemática que causa preocupações em âmbitos sociais, ambientais e econômicos. Portanto, os seus efeitos individuais e/ou conjugados podem ser comprometedores, tendo em vista que esses gases podem conter características poluentes ao meio ambiente ou danosas às estruturas dos sistemas de esgotos, assim, tem sido recorrente a preocupação de recuperação dos gases de potencial energético (metano em altas concentrações), o controle dos gases de efeito estufa (metano fugitivo em baixas concentrações) e os odorantes (sulfetos, mercaptanas, etc). A presença de gás metano (CH4) que não é capturada pela campânula e que se encontra dissolvida na massa líquida do efluente do UASB, na condição de supersaturação podem apresentar uma concentração na ordem de 21 mg/L, e a perda de metano pelo efluente líquido pode corresponder até 45% da produção total de gás gerado (dissolvido + biogás). Quanto aos parâmetros de odoríferas já foram medidos níveis de sulfeto de hidrogênio (H2S) maiores que 500 ppm dentro da caixa de passagem, logo após a saída do efluente do reator UASB, durante a agitação promovida pelo fenômeno de cascata em queda livre de 6 m de altura. Este trabalho, com o objetivo central de realizar experimentos sobre evoluções na técnica de câmara de desorção (CD) para controle desses gases dissolvidos no efluente, quando testou equipamentos de queda livre e atmosfera controlada, obteve remoção de 64% metano e 77% de sulfeto de hidrogênio, identificando o mecanismo de dessorção como governante do processo de tratamento. Além, quando esses equipamentos de atmosfera controlada tiveram adaptação para receber meio de suporte, tais eficiências alcançaram 89% e 96% respectivamente aos parâmetros CH4 e H2S. Nestes casos, foi possível avaliar que o mecanismo de dessorção foi responsável para recuperação do gás metano a 21%, e a oxidação, por sua vez, foi o mecanismo predominante para a remoção de H2S e precipitou enxofre elementar (S0).
Dissertação no formato PDF
Clique para abrir a defesa

SMARH - Programa de Pós-Graduação em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos

Escola de Engenharia - UFMG
Avenida Antônio Carlos, 6627
Bloco 1, Sala 4619 - CEP 31270-901
Telefone: 31-34091882

MAPA DE LOCALIZAÇÃO